Missas

Confissões

Folgas dos Padres

Orkut e Blog

Sites

Notícias

                                                                     AVISOO 

 

HORÁRIO   DE    EXPEDIENTE   DA    SECRETARIA    PAROQUIAL

    DE  SEGUNDA À SEXTA DE 08:30  ÀS 12:30 - 14:30  ÀS 18:30

S Á B A D O :  08:30  ÀS 12:30.

__________________________________________________________________________________________

         ENCONTRO  DE   RECÉM-CASADOS  NA  PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ


LOCAL DO  ENCONTRO:  SALÃO PAROQUIAL

DATA: 21/09/2014  -  HORA: 08:00  ÀS 17:00 horas.

                        Inscrição  na  SECRETARIA PAROQUIAL.


                                                          

                                                            SEMANA DA BÍBLIA

 

 

DE 01 A 06 DE SETEMBRO – 2014    ÀS 19:30h  na Paróquia  de  São  José

TEMA: “Discípulos missionários a partir do Evangelho de Mateus."

LEMA: "Ide, fazei discípulos e ensinai" (Mt 28,19-20).

 

 

 










                ARTIGO   MÊS  DE  MAIO  E  JUNHO

 

 

                                  POR UMA PASTORAL PROFÉTICA

 

               Ao longo da sagrada Escritura, aprendemos que “profecia” significa a Palavra de Deus internalizada, ou seja, experimentada com toda a riqueza do Espírito Santo, a partir de dentro do coração humano, para também ser comunicada a outras realidades exteriores, ao mundo inteiro!

            Nesse sentido bastariam alguns textos do Profeta Ezequiel para ilustrar o que queremos dizer, por exemplo: Ez 13,1-3. O verdadeiro profeta não prega a Palavra a partir de sua própria cabeça e ainda mais: “ai dos profetas insensatos que seguem a sua própria inspiração”...; também o famoso texto de Ez 36,25-27. Aqui os elementos centrais são a purificação interior (um coração limpo), o espírito  dentro do coração e a obediência para com as leis divinas e à Palavra.  Ainda cito Ez 37,1-14. Trata-se da metáfora dos “ossos secos” que se revestem de novos músculos... Assim o corpo (a pessoa) que passa da morte à vida pelo Espírito. Também pode - se dizer do povo que se transforma a partir da  vitalidade  da Palavra e do Espírito; a família.... etc.

             O Apóstolo Paulo ensina que a Profecia é dom do Espírito e é dom superior inclusive ao das línguas (cfr. 1 cor  14,1-5).  O Apóstolo explica o porquê da grandiosidade da Profecia, é porque a Profecia não é Dom para si mesmo, mas para edificar-exortar – consolar os outros.

           Aqui já chegamos ao que gostaríamos de transmitir nesse singelo texto: é preciso resgatarmos na Igreja, a Ação Evangelizadora,  uma pastoral, de fato comprometida e fundamentada nesses três aspectos:

A)    Edificar:  O testemunho de vida ( martírio), o anúncio da Fé  pascal

(kerigma) e o ensinamento (catequese/formação), precisam ser mais evidenciados em nossas pregações e em nossas ações pastorais;

B)    Exotar:  palavras e atitudes que ajudem o povo e as pessoas em

geral, a pensar, a refletir e avaliar bem a vivência da fé cristã, o discipulado de Jesus Cristo. Não preciso dizer que tudo isto se faz com postura clara, mas sempre no respeito e na tolerância. Percebo que infelizmente tem aumentado a tendência de pregar e também agir pastoralmente para receber aplausos, criar fama e angariar adeptos, às vezes com até muita diplomacia pode-se velar a verdade para nós mesmos e para os outros.  Sentimos a falta de um Helder câmara, Paulo Evaristo Arns,  Tereza de Calcutá e outros;

C)    Consolar:  uma ação pastoral que seja aproximada da Ação do Bom Pastor.

Não eivada de sentimentalismos, mas de verdadeira compaixão, que se traduza na prática do bom samaritano em o gesto do lava-pés. Isto significa o que o Papa Francisco vem fazendo, aliás sempre fez, uma pastoral simples, despojada de tantas pretensões, voltada para a acolhida, o diálogo e o serviço da caridade.

_______________________________________________________________________________________________

 

 

 

DOMINGO DE RAMOS - 13/04

- MISSAS NOS HORÁRIOS COMUNS

- PEQUENAS PROCISSÕES ANTES DAS MISSAS

SEGUNDA-FEIRA DIA 14/04

- MISSAS NOS HORÁRIOS COMUNS

- NA MISSA DAS 17 HORAS  SERÁ MINISTRADO O SACRAMENTO DA UNÇÃO DOS ENFERMOS ( PARA QUEM NECESSITAR)

TERÇÃ-FEIRA DIA- 15/04

- MISSA DA PAIXÃO  ÀS 12h30min.

QUARTA-FEIRA DIA 16/04

- MISSAS NOS HORÁRIOS COMUNS

QUINTA-FEIRA DIA 17/04

 - MISSA ÀS 17 HORAS - LAVA-PÉS

- APÓS A SANTA MISSA,  ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO, ATÉ ÀS 22horas.

- 17:00h - MISSA NA CAPELA SÃO LUCAS (NO BAIRRO SALGADO FILHO)

SEXTA-FEIRA SANTA DIA 18/04

- ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO  DURANTE O DIA.

- 12h30min. - OFERTÓRIO DO PRECIOSISSIMO SANGUE ( ORAÇÃO E TAMBÉM DOAÇÕES PARA OS CARENTES.

- 17:00horas - CELEBRAÇÃO DA PAIXÃO

S Á B A D O     DIA 19/04

- VIGÍLIA PASCAL:

  19:00 horas  MISSA NA  MATRIZ

  19:00 horas MISSA NA CAPELA SÃO LUCAS ( BAIRRO SALGADO FILHO)

   DOMINGO  DA  RESSURREIÇÃO:

- MISSAS NOS HORÁRIOS COMUNS

_______________________________________________________________________________________________ 

                                       ARTIGO DO MÊS DE  ABRIL /2014

                                         A  vocação à santidade    

                  Ressonâncias   na   vida  pastoral

          

           O chamado à santidade é a motivação fundamental de toda a nossa vida de fé.

           Já no Antigo Testamento, o Livro do Levítico, o qual trata basicamente das celebrações, das leis litúrgicas e da  espiritualidade, nos apresenta a proposta de Deus para que todos sejam santos, como o próprio Deus é santo (cfr. Lv 19,2).

          No Novo Testamento, abundantemente se faz presente esta perspectiva.

          Vejamos mais precisamente o chamado à santidade dentro do “sermão da montanha”.

          É atribuída a santo Agostinho, a frase que afirma ser o sermão da montanha o coração de toda a Escritura sagrada, principalmente do Evangelho. Isto quer dizer que esse sermão é o principal de Jesus e contém todos os elementos essenciais do seu ensinamento, bem como expressa o próprio ser de Jesus, é uma espécie de fotografia da Pessoa e do agir do Senhor.   

         O sermão da montanha compreende os capítulos 5,6 e 7 de são Mateus (sistematicamente, só em Mateus).

         A chave de ouro que abre o sermão são  as  “Bem- Aventuranças.” Já aqui  encontra-se o estilo mais clássico e mais sublime da santidade, em perspectiva cristã. Os capítulos 5 e 6  apresentam, de modo muito  prático e simples, as virtudes e os ensinamentos que alimentam e instruem o caminho da vida cristã, o discipulado e a fecundidade da santidade. Dentre tantos, destacamos os seguintes pontos:

             Capítulo 5º- Após as Bem-Aventuranças, temos:

            -> A indentidade do cristão e da cristã: sal da terra e luz do mundo (vv 13-16); a  lei nova consiste na Justiça e na obediência por Amor (vv 17-37); a magnanimidade como carro-chefe de todas as virtudes e o sentido do “amor aos inimigos”(vv38-48).

           Capítulo 6º- Importantíssimo para a vida virtuosa, logo de início estão os três elementos que funcionam como tripé de sustentação da espiritualidade cristã, inclusive para o itinerário quaresmal, pressuposto para a realização plena da páscoa em nossa vida. Trata-se da oração e aqui temos o modelo supremo de toda oração cristã, o Pai-Nosso!

          O Pai nosso não é apenas uma oração, mas o paradigma da Espiritualidade cristã. Está construído  sobre quatro eixos: 1º O PAI  É DE TODOS, 2º O REINO PARA O MUNDO, 3º O PÃO NOSSO! A JUSTIÇA DO REINO, 4º O PERDÃO!  O outro elemento é a fraternidade, no texto  simbolizada  pela  esmola e o último elemento é a penitência, expressa no conceito ‘’ Jejum. De modo que oração, fraternidade e penitência constituem a solidez do caminho para uma vida de  santidade em seu sentido autêntico.

            O Capitulo 6º se conclui falando do tesouro da nossa vida, qual o valor que norteia nossa existência e preenche a nossa alma: “onde estiver o tem tesouro, aí estará também o teu coração” (v.21) e do significado da liberdade interior, bem como da confiança na Providência de Deus sobre nós: “olhai as aves do céu... olhai os lírios do campo”...(vv.25-34).

           Capítulo 7º - Esse capítulo contém a grandiosa conclusão do sermão da montanha: discernimento e coerência de vida, a regra de ouro (fazer ao outro o que quero para mim), não teorizar a fé e a religião (apenas dizer Senhor, Senhor...), mas buscar praticar a vontade do Pai do Céu. Não construir a casa, nossas vidas,  na areia, isto é, na superficialidade, mas sobre a rocha da Palavra.

          A santidade se vive na vivência humilde da Palavra de Deus e na busca permanente da sua Vontade.

____________________________________________________________________________

 

                                                Missas e procissão no Dia de São José

 

Publicada em 20/03/2014  no Jornal do DIA

Kátia Azevedo

O Dia de São José foi celebrado ontem com missas e procissões em todo o estado. Na capital, centenas de fiéis participaram do tradicional dia festivo com orações de agradecimentos por graças alcançadas. No interior, romeiros pediram chuvas para o plantio do milho.

Em Aracaju, a Paróquia São José foi o cenário de celebração para os fiéis que lotaram o espaço durante todo o dia. As comemorações iniciaram com uma missa na igreja às 7h, com o padre Manoel Barbosa.
O padre lembrou que São José é considerado pelos fiéis o padroeiro das famílias e dos trabalhadores por causa da história de vida como o pai que criou Jesus Cristo e deu a ele o exemplo de trabalho, sustentando a família com os serviços de marcenaria. "Em toda a trajetória de Cristo na terra, José sempre esteve ao lado de Maria. A aceitação do santo diante do anúncio da gravidez de Nossa Senhora é um dos marcos na história bíblica", ressaltou.  

O pároco destacou ainda a importância de São José, como exemplo para valorização da família. "Através da interseção de São José, patrono Universal da Igreja, os pais podem assumir suas missões com coragem e confiança para acolher, educar e proteger seus filhos, zelando e protegendo suas respectivas famílias", comentou.

O padre também lembrou que o fato marcante da vida de São José foi seu mistério ao lado de Maria e seu filho Jesus, sua fé e obediência, o binômio dos que pretendem ser cristãos, ao ressaltar que em torno de São José, pairam lendas e estórias, valendo salientar que segundo a tradição popular, a jovem Maria tinha muitos pretendentes e que os mesmos haviam deixado seus bastões em busca de um sinal, que a todos surpreendeu, pois, prodigiosamente, o de José floresceu, dando lugar ao que se conhece nos jardins como cajado de São José.

O santo tornou-se padroeiro da Igreja Universal, a partir de 8 dezembro de 1870. No Brasil, São José é padroeiro de 161 paróquias, dando nome a 12 municípios, ganhando para São Pedro que registra 58 paróquias. O santo também é responsabilizado pela benção do plantio do milho e aparece como a primeira presença religiosa do ciclo junino. "É protetor dos lares e da agricultura na cultura popular, pois, se chove no dia de São José, o inverno é certo", lembra o padre.
As comemorações ao santo foram iniciadas no dia 10 deste mês, com um novenário que durou até ontem. O tema das celebrações deste ano foi Com São José, a Esperança de Libertação da Família.
Ontem, as celebrações eucarísticas ocorreram durante todo o dia, sendo encerradas com uma procissão saindo da Igreja São José no final da tarde.  

A programação festiva teve a participação de vários setores da igreja como Idos Ex-paroquianos, Decanos da Paróquia com suas respectivas famílias, Frente Missionária, Frente Social, Capela Nossa Senhora Menina, Capela São Lucas, Comerciantes, Fundação São Lucas, SINDMED, SOMESE, GEAP, CRM, CRO, Clínicas, Hospitais, Comunidades (São José, Força Jovem, Shalon, João Paulo II e Canção Nova), Colégios, Militares e Religiosas, Frente de Formação e Espiritualidade, Comerciantes, Fundação São Lucas, Frente de Formação e Espiritualidade, Frente Familiar e Terço dos Homem, Cerimonialistas e outros parceiros.

Além das celebrações religiosas, a data comemorativa a São José também está ligada a crença popular relacionada à colheita do milho que é plantado no dia 19 de março. Mesmo não fazendo parte dos santos do ciclo junino, comemorados no mês de junho, São José pode ser considerado um anfitrião dos festejos juninos, com o plantio do milho, abrindo em março a preparação para os movimentos e organizações das festas juninas em todo o nordeste.
Esperando uma boa colheita, comunidades rurais do interior também celebraram a tradicional procissão. Em Campo do Brito, centenas de fiéis percorreram mais de quatro quilômetros e comemoram o inicio das chuvas com romarias e orações.

 

10/3/2014
Procissão do encerramento do pré-novenário de São José

 

Uma multidão de fiéis participou ontem da procissão do encerramento do pré-novenário da festa de São José. A carreta ocorreu a partir das 17hs30 deste domingo, 09.

O percurso saiu da Capela São Lucas, na Rua Francisco Portugal, no Bairro Salgado Filho, e seguiu para a Capela Nossa Senhora Menina, na Rua Itabaiana, com festejos e queima de fogos.

A procissão foi encerrada com a celebração da Missa pelos Padres Lázaro e Manoel Barbosa, ficando a imagem de São José na Capela Nossa Senhora Menina.

Hoje, às 19 horas, os fiéis sairão em procissão da Capela Nossa Senhora Menina, na Rua Itabaiana, com a imagem de São José em direção a Igreja de São José, para abertura do Novenário da Festa de São José, que prossegue até o dia 19/03/2014. 

Ao chegar à Igreja, por volta das 19h30min os devotos participam da Novena e em Seguida da Santa Missa de abertura, que será presidida pelo Padre  Ozéas dos Santos, da Paróquia Santa Rita de Cássia, do Conjunto Costa e Silva. A 1ª noite de novena teve como Subtema: Dê-nos Senhor, a virtude de vivermos segundo o mandamento do amor, conforme viveu São José”, sendo homenageados os ex-paroquianos, decanos da Paróquia e devotos e benfeitores de São José.

O Novenário Solene acontecerá entre os dias 10 a 19 de março. As festividades também contará com a Quermesse que ficará instalada no estacionamento da Igreja São José.

Maria Gilsa Brito

 

 

5/3/2014
DIVULGADA PROGRAMAÇÃO PARA O FESTEJO DE SÃO JOSÉ

                                                                     

 

A Paróquia São José inicia nesta quarta-feira, dia 05 de março a Festa do Padroeiro, que tem como tema Central Com São José, a Esperança de Libertação da Família.

Uma vasta programação foi preparada para celebrar este grande acontecimento. As festividades terão início às 19hs de quarta-feira, com o Pré-Novenário que tem o objetivo de levar a imagem de São José a visitar diversas comunidades. No período da pré-novena o Padre Manoel Barbosa e os fiéis sairão em procissão até as comunidades, onde será celebrada uma Missa.

Confira a Programação do Pré-Novenário até o dia 09 de março:

05/03

Pré-Novena 1º Dia: A Procissão sairá às 19h00 da IGREJA SÃO JOSÉ, situada na Praça Tobias Barreto, 248, nesta Capital, e percorrerá trecho da Av. Augusto Maynard, as Ruas Guilherme Resende, Joventina Alves e Cedro.

Chegada da Imagem: COMUNIDADE SHALOM, Rua Cedro.  Em seguida acontecerá a MISSA.

06/03

Pré-Novena 2º Dia: A Procissão sairá às 19h00 da Comunidade SHALOM, situada na Rua Cedro, nesta Capital, e percorrerá as Ruas Campo do Brito, Guilhermino Resende, Anísio Azevedo, Av. Gonçalo Prado, Hermes Fontes e Nestor Sampaio. Chegada da Imagem: COMUNIDADE SÃO JOSÉ, Rua Nestor Sampaio. Em seguida acontecerá a MISSA. 

07/03Pré-Novena 3º Dia: A Procissão sairá às 19h00 da Comunidade SÃO JOSÉ, no Bairro Ponto Novo, Rua Nestor Sampaio, nesta Capital e percorrerá a Avenida Hermes Fontes, Travessa Nino Porto esquina com Rua Zaqueu Brandão.

Chegada da Imagem: COMUNIDADE JOÃO PAULO II, na Rua Zaqueu Brandão. Em seguida acontecerá a MISSA. 

08/03Pré-Novena 4º Dia: A Procissão sairá às 19h00 da Comunidade JOÃO PAULO II, na Zaqueu Brandão, passando pelas Ruas Urquiza Leal, Anísio Azevedo, Pedro Paes e Francisco Portugal.Chegada da Imagem: CAPELA SÃO LUCAS, na Francisco Portugal. Em seguida acontecerá a MISSA. 

09/03Pré-Novena 5º Dia: A Procissão sairá às 08h30min da CAPELA SÃO LUCAS, na Rua Francisco Portugal, passando pelas Ruas José do Faro, Pedro Paes, Lagarto, Stanley Silveira, Augusto Maynard e Itabaiana. Chegada da Imagem: CAPELA NOSSA SENHORA MENINA, na Rua Itabaina. Em seguida acontecerá a MISSA. 

10/03Pré-Novena 6º Dia: A Procissão sairá às 19h00 da CAPELA NOSSA, na Rua Itabaiana, passando pelas Ruas Senador Rollemberg, Santa Luzia e Praça Tobias Barreto.

Chegada da Imagem: IGREJA SÃO JOSÉ, Praça Tobias Barreto. Em seguida acontecerá a  MISSA. 

Ao chegar à Igreja, por volta das 19h30min os devotos participam da Novena e em Seguida da Santa Missa de abertura, que será presidida pelo Padre  Ozéas dos Santos, da Paróquia Santa Rita de Cássia, do Conjunto Costa e Silva. A 1ª noite de novena teve como Subtema: Dê-nos Senhor, a virtude de vivermos segundo o mandamento do amor, conforme viveu São José”, sendo homenageados os ex-paroquianos, decanos da Paróquia e devotos e benfeitores de São José.

O Novenário Solene acontecerá entre os dias 10 a 19 de março. Vide toda a Programação da Festa de São José no Anexo. (Folder)

Por: Gilsa Brito

   

 

 

   

       

 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 CORDEL AO PADRE MANOEL BARBOSA

A vocês que me assistem

Prestem muito bem atenção

De tudo já fiz um pouco

De fazendeiro a peão

 

Nasci de família pobre

Mas disso eu me orgulho

O necessário sempre teve

E nunca pulamos muro

 

vou contar a vocês

a história de um pastor

que contrariando a todos

veio ao mundo e não chorou

 

lá na década de sessenta

mais precisamente sessenta e cinco

nascia em Ribeirópolis

um danado de um menino

 

seu pai era Francisco

mais conhecido Chiquinho da vaca

impaciente com o filho

às vezes lhe fechou a matraca.

 

tendo como mãe Maria,

foi o moleque crescendo

tomando conta da prosa

e a todos nós envolvendo.

 

O tempo foi passando

E a criança tomando jeito

E o pai todo orgulhoso dizia:

- Esse moleque, vai ser prefeito!

 

Mas o menino em formação

Um dia confessou a mãe,

Que o sonho da vida dele era

Ser da igreja sacristão.

 

O pai sabedor do caso

Chamou o menino no canto

Berrou-lhe nos dois ouvidos

Na igreja, ou padre ou Santo.

 

Aflorando a vocação

Pela qual Dona Zefinha lutou

Juntamente ao apostolado

O menino encaminhou

 

Recebeu de seus amigos fraternos,

Padres Araújo e Wilson

A melhor noticia do dia;

Prepare os panos de bunda, vais estudar na Bahia.

 

No seminário chegando

Por muitos intemperes passou

Mas sendo de boa família,

Tudo o que veio enfrentou.

 

Com muitos mestres divinos,

O menino estudou.

E nada lhe tira da cabeça:

-Eu vou servir ao Senhor.

 

Até que em noventa e quatro

Seguindo o chamamento divino,

Ordenava-se padre

Aquele santo menino.

 

Quando da 1ª missa

Seu povoado honrou

Levando para os seus amigos

A Palavra do Senhor.

 

Logo após a ordenação

Pro Rio de janeiro partiu

Sob a proteção de Jesus Cristo

O Espírito Santo fluiu.

 

Veio prá Campo do Brito

Pela irmandade Vocacionistas,

Dom Lessa muito sabido

Colocou-o em sua lista

 

Por cinco anos morou

Naquela bela cidade.

Divulgando o Reino de Deus

Em toda a comunidade

 

Em Aracaju chegando,

Na Luzia aterrissou

Propagando a capela,

Em paróquia se tornou.

 

No dia de santa Madalena,

Pra são José se mudou.

Trazendo em sua bagagem,

O que Deus lhes reservou.

 

Criou Conselho Paroquial,

Pastoral organizou.

Em frentes sociais diversas,

O cristão organizou.

 

Na Escola de Espiritualidade,

Documento da CNBB divulgou.

Levando aos participantes,

Companheirismo e amor.

 

Foi convidado a serVigário Episcopal

E mais uma vez aceitou.

Mesmo com muitos afazeres:

- Estou aqui meu Senhor!

 

Na setorização da Paróquia,

Dois setores originaram.

São Lucas e João Paulo II,

Seu trabalho enveredou.

 

Achando pouco o trabalho

Na Capela do Santíssimo logo pensou

Vou tornar mais bela ainda,

A morada do Senhor.

 

Hoje  vinte anos passados,

Do dia da ordenação,

 Os pais: um no céu e o outro na terra,

Sempre

se encontram em oração.

 

E nós que com Ele convivemos,

Damos graças por seus dons.

Louvamos a Deus e pedimos:

- Abençoai seu ministério!

 

 

 Homenagem dos paroquianos da Paróquia de São José ao Pe. Manoel nos 20 anos de vida Ministerial.

Aracaju, 29/01/2014 

 __________________________________________________________________________________

 

 

             ARTIGO  MÊS DE JANEIRO  DE 2014 – Pe. MANOEL BARBOSA

 

                     A Palavra de Deus (Bíblia) nas Pastorais

 

              Sem dúvida, um dos passos mais significativos para a “ Conversão pastoral”é a utilização da Escritura Sagrada na vida de nossas  pastorais.

                 Iniciar as reuniões ou os encontros rezando um Texto bíblico! Promover a Leitura  orante  da Palavra; fazer retiros espirituais focados na Bíblia, caminhadas e outras atividades... Creio que o primeiro fruto consistirá na revitalização da Espiritualidade. Percebo  que o problema de fundo de nossas pastorais, muitas vezes, está exatamente na falta desta!

                 Como se descute tudo, se fala tanto, se planeja, às vezes, se trabalha razoavelmente, mas se reza pouco e quase não há formação na Escritura sagrada. Volta ou outra, ouço alguém dizer fui para uma outra religião porque lá tem mais a Palavra! Pode até ser algum pretexto, mas estou certo que há alguma verdade nisso. Se, em geral, existem alguns  católicos que não dão importância à Palavra orada, aprofundada e bem “saboreada”, até se incomodam com isso, por outro lado, a experiência nos atesta que uma grande parte do povo de Deus tem sede de Deus e de sua Palavra, “como terra deserta, seca, sem água” (cfr.salmo 63).

                    O sínodo da Palavra, nos convidou “a um esforço pastoral particular para que a Palavra de Deus apareça em lugar central na vida da Igreja, recomendando que se incremente a Pastoral bíblica, não em justaposição com outras formas  de pastoral mas como animação bíblica da pastoral inteira” (Verbum Domini, do Papa Bento XVI, nº 73).

                    São muito densas e singularmente delicadas essas palavras. Talvez nosso problema esteja nesse “esforço” que é preciso fazer permanentemente e que exige conversão.

                       A propósito, o referido Pantífice ainda afirma que a falta de conhecimento bíblico de muitos fieis, explica, por vezes, a existência de um certo vazio pastoral em nossa caminhada de evangelização (cfr. o mesmo  Doc. citado) E, conclui o Papa dizendo ser necessário preparar bem os sacerdotes e os leigos agentes de pastoral para suprir tal demanda.

                    Oração e formação bíblicas na catequese, nos encontros eclesiais, nos diversos ministérios da Igreja, na família, nas diferentes comunidades e na vida pessoal dos cristãos católicos, eis o segredo para uma vida de fé fecunda e robusta.

 _______________________________________________ ______________    

 

Artigo do mês de dezembro – Pe. Manoel

 

                              A CONVERSÃO PASTORAL

 

           Na vez passada falamos um pouco de uma Espiritualidade missionária, destacando a proposta da setorização de nossas Comunidades Paroquiais. Agora queremos continuar na mesma perspectiva, mas destacando a tão falada “Conversão Pastoral”.

           Sabemos que originalmente conversão quer dizer “mudança de mentalidade ,” mudar o jeito de pensar para assimilar um pensamento novo. Para nós cristãos significa aprendermos a pensar do jeito de Jesus Cristo! Ah, como isso é difícil! Certamente é o cerne de todo desafio de nossa vocação e missão, somos muito condicionados e apegados a nossas idéias, conceitos e pré-conceitos, ou seja, somos agarrados a nossas estruturas de pensamento e largar isso nos custa muito, é quase uma violência contra nós mesmos...

            O que se é dito a esse respeito no tocante à conversão pessoal para o Reino de Deus, se pode afirmar analogamente em relação à nossa Ação Evangelizadora, ou seja, às estruturas fruto da nossa vida pastoral. A pastoral da Igreja que acontece concretamente na Comunidade Paroquial e em outras realidades afins.

            Segundo o documento de “Aparecida”, o subsídio de nº 104 da CNBB e, principalmente, segundo o Papa Francisco, é necessária e urgente a “conversão das nossas pastorais”. Isto é, faz-se necessário que a estrutura e a metodologia de nossa vida pastoral sejam repensadas e transformadas.

           Três  pontos podemos esboçar aqui para ajuda nesse caminho:

           1º) Motivação e conscientização permanentes de nossos católicos para um maior e melhor engajamento nos trabalhos de Evangelização;

          2º) Revitalização e eficiência de todo tipo de experiências já existentes nesse sentido, mesmo que seja redimencionado ou reduzido o número de grupos de pastoral. Noto que muitas vezes há grande quantidade de pastorais ou grupos afins, alguns até com a mesma finalidade numa mesma Paróquia. Pode ocorrer o esgotamento e o atropelo e isso só dificulta a caminhada! Penso seriamente que se numa Paróquia   existisse, por exemplo, uma boa e saudável Pastoral da Família; uma eficiente Pastoral Social e uma fecunda Pastoral Missionária, toda vida  da Ação Evangelizadora estaria muito bem atendida.

           Mas isso exige conversão, no sentido de abrir mão do “meu grupinho”, da minha vontade própria, do meu esquema... E abraçar o Projeto do Reino de Jesus, pensar melhor a Igreja, como e com a Igreja;

            3º) Frutos novos de conversão! Trata-se de atitudes novas, como a já mencionada “setorização”, o empenho pela formação permanente (sobretudo na Palavra de Deus) e o exercício dos ministrérios leigos.  Percebo que, em geral, nosso povo pede e até cobra (com todo direito!) experiências de formação na Palavra e na Doutrina, mas quando se oferece, os mesmos não perseveram na participação ou até mesmo nunca aparecem.

              Ainda é gritante a ignorância de uma boa parte dos católicos em relação a Bíblia e a Doutrina da Igreja. A cultura  católica ainda consiste em pensar que bastam os padres e outras formas de  vocação específicas, se empenharem no estudo e no aprimoramento da vivência bíblica e cristã em geral. Muitos católicos não se engajam melhor na vida da sua Igreja, nem parecem gostar quando se insiste muito nisso. Até são capazes de buscar outras igrejas (mesmo católicas) que sejam mais “ligts”.

           Daí a necessidade de os pastores e os diversos agentes da Pastoral nos empenharmos mais pela chamada “Pastoral de Conjunto”, ou seja, de mais comunhão, em torno do Plano Geral de Pastoral da Diocese e não ficarmos isolados, às vezes até trabalhando muito, mas sem comunhão e fraternidade, o que prejudica tanto a natureza eclesial. Este, porém, é um processo de verdadeira conversão, o qual precisa ser iniciado logo, urgentemente por cada um e por todos nòs!

 ______________________________________________________________

 

         A  PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ FUNDOU A COMUNIDADE DO BEM-AVENTURADO JOÃO PAULO II,   À   RUA  ZAQUEU  BRANDÃO,    616, ESQUINA COM NINO PORTO,   EM FRENTE AO    ORQUIDÁRIO    NO BAIRRO SÃO JOSÉ. 

            PROGRAMAÇÃO PARA A COMUNIDADE JOÃO PAULO II

                                 A  PARTIR  DO  ADVENTO 2013

1-    MISSAS:

 Sábados,  às 19h

todo dia 18 do mês (mãe rainha), às 19:00h

2-    Atendimento do Padre:

           Quintas-feiras, das 15:h30min  às 17h30min ( Aconselhamento, Benção,

          Confissão,  etc).

3-    Adoração ao Santíssimo Sacramento:  Todas às  quintas-feiras das 09h às 11h

4-     Oração e Estudos Bíblicos: Todas as terças-feiras, das 19h às 20h30min

5-    Terços de Nossa Senhora: Todo dia 18  do mês  às  18h30min

                                                          Aos sábados às 14:00h.

 _______________________________________________________________________

                                            

   COMUNIDADE  SÃO  LUCAS

            A  PARÓQUIA   DE   SÃO  JOSÉ CRIOU A COMUNIDADE SÃO LUCAS NO BAIRRO SALGADO   FILHO,   ESTAMOS   PARA   CONSTRUIR   A  IGREJA À RUA EUCLIDES PAES MENDONÇA, 143, EM FRENTE À ANTIGA ESCOLA SÃO LUIS.

                                                          PROGRAMAÇÃO

        * Missas aos sábados às 17:00h (até o momento na sede da  G E A P 

        * Outras atividades de Evangelização

                                            SEJA  NOSSO  BENFEITOR!                 

Com  muito esforço os paroquianos da Paróquia de São José adquiriram um terreno à Rua Dep. Euclides Paes Mendonça no bairro Salgado Filho, para construir a Capela de São Lucas, Hoje a planta da construção da Capela está pronta necessitando de vossa valiosa ajuda. Depositando na conta Caixa Econômica Federal Agência: 2186 Conta: 013-012153-3 ou doando material para a construção ligando p/ o nº 3214-2463, São José e São Lucas lhes darão em acrésimo todos os seus esforços.

____________________________________________________________________________________

ORGANOGRAMA

                                            A vida paroquial

                  Nosso projeto é simples, mas quando levado a sério, torna-se bastante eficiente. Todas as pastorais e grupos afins, são reunidos em quatro frentes de ação.  Assim, cada segmento não perde seu carisma, nem sua autonomia, mas é chamado a fazer realmente COMUNHÃO, pois sem esta não existe Igreja de Jesus Cristo.

                 Cada Frente de Ação Pastoral tem um articulador, o qual com o pároco, os outros irmãos de missão e os coordenadores de cada segmento, busca aperfeiçoar o apostolado e a espiritualidade. No momento, esses senhores são José Adagildo de Jesus, Onaldo Rodrigues de Almeida, José Luciano Figueiredo de Almeida, José Maria Morais de Souza.

                Dentre as atribuições diversas, os articuladores devem promover:

              I- DE MODO GERAL

                - Interação plena com a pessoa do Pároco

                - Reuniões, avaliações, planejamentos, lazer... Periódicos

               - Que todos freqüentem a Escola de Formação e Espiritualidade

              - O empenho salutar pela pastoral do Dízimo

              - A vida espiritual de suas pastorais e grupos afins

             - Empenho pela missa de São José, às quartas-feiras às 19h e 30min.

II- DE MODO ESPECÍFICO

      a) Frente de Formação e Espiritualidade

          - O articulador deve promover encontros entre os vv componentes, ao menos 2 por semestre;

         - A participação de todos na vida da comunidade

         - O interesse também pelos outros grupos da mesma Frente de Ação

        - Boa organização de cada atividade da Iniciação cristã, por ex., da Catequese para o sacramento

           do Batismo

       - Melhor participação dos membros nas missas da Comunidade

b) Frente Familiar:        

    - O articulador deve incentivar mais encontros entre os grupos afins;

    - Melhor participação nas missas da comunidade, não somente a missa que seu grupo organiza;

   - Adoração ao Ssmo. Sacramento e vida espiritual + intensa;

   - A presença de um Casal nas Cerimônias de Casamentos realizados no âmbito paroquial;

   - Atenção especial a momentos fortes desse conteúdo, promovidos pela Igreja em Geral, como: mês

     Vocacional, semana da Família, Natal e outros.                                         

- Organização e execução do encontro de noivos, em preparação para o matrimônio.           

c) Frente Social     

   - Acompanhar bem as iniciativas já existentes, por exemplo: Campanhas para os seminários, para 

     os pobres e o consultório médico, dando-lhes sempre mais consistências;

  - Retomar e organizar bem os plantões de atendimento aos pobres;

  - Fazer parcerias com pessoas e entidades que fortaleçam o trabalho;

 - Insistir para que cada segmento dessa Frente de ação pastoral, se interesse pela missa dedicada a

    São José, às quartas-feiras 19h e 30min.  

d) Frente Missionária

  - Ver bem cada grupo que compõe a Frente de Ação pastoral e aproximá-las o quanto mais possível;

  - Engajar a todos em atividades propriamente missionárias;

 - Elaborar miniplanejamento de visitação às residências, no âmbito paroquial, para os meses de

   Outubro, novembro e dezembro, culminando com “as Novenas natalinas;”

- Formar um grupo, com pessoas de cada segmento da Frente, para acompanhar bem as campanhas

  Promovidas pela Arquidiocese e CNBB, por exemplo: missionária (outubro), evangelização (dezembro).

_____________________________________________________________________________________________________________________________

  

Artigo do mês de dezembro – Pe. Manoel

 

                              A CONVERSÃO PASTORAL

 

           Na vez passada falamos um pouco de uma Espiritualidade missionária, destacando a proposta da setorização de nossas Comunidades Paroquiais. Agora queremos continuar na mesma perspectiva, mas destacando a tão falada “Conversão Pastoral”.

           Sabemos que originalmente conversão quer dizer “mudança de mentalidade ,” mudar o jeito de pensar para assimilar um pensamento novo. Para nós cristãos significa aprendermos a pensar do jeito de Jesus Cristo! Ah, como isso é difícil! Certamente é o cerne de todo desafio de nossa vocação e missão, somos muito condicionados e apegados a nossas idéias, conceitos e pré-conceitos, ou seja, somos agarrados a nossas estruturas de pensamento e largar isso nos custa muito, é quase uma violência contra nós mesmos...

            O que se é dito a esse respeito no tocante à conversão pessoal para o Reino de Deus, se pode afirmar analogamente em relação à nossa Ação Evangelizadora, ou seja, às estruturas fruto da nossa vida pastoral. A pastoral da Igreja que acontece concretamente na Comunidade Paroquial e em outras realidades afins.

            Segundo o documento de “Aparecida”, o subsídio de nº 104 da CNBB e, principalmente, segundo o Papa Francisco, é necessária e urgente a “conversão das nossas pastorais”. Isto é, faz-se necessário que a estrutura e a metodologia de nossa vida pastoral sejam repensadas e transformadas.

           Três  pontos podemos esboçar aqui para ajuda nesse caminho:

           1º) Motivação e conscientização permanentes de nossos católicos para um maior e melhor engajamento nos trabalhos de Evangelização;

          2º) Revitalização e eficiência de todo tipo de experiências já existentes nesse sentido, mesmo que seja redimencionado ou reduzido o número de grupos de pastoral. Noto que muitas vezes há grande quantidade de pastorais ou grupos afins, alguns até com a mesma finalidade numa mesma Paróquia. Pode ocorrer o esgotamento e o atropelo e isso só dificulta a caminhada! Penso seriamente que se numa Paróquia   existisse, por exemplo, uma boa e saudável Pastoral da Família; uma eficiente Pastoral Social e uma fecunda Pastoral Missionária, toda vida  da Ação Evangelizadora estaria muito bem atendida.

           Mas isso exige conversão, no sentido de abrir mão do “meu grupinho”, da minha vontade própria, do meu esquema... E abraçar o Projeto do Reino de Jesus, pensar melhor a Igreja, como e com a Igreja;

            3º) Frutos novos de conversão! Trata-se de atitudes novas, como a já mencionada “setorização”, o empenho pela formação permanente (sobretudo na Palavra de Deus) e o exercício dos ministrérios leigos.  Percebo que, em geral, nosso povo pede e até cobra (com todo direito!) experiências de formação na Palavra e na Doutrina, mas quando se oferece, os mesmos não perseveram na participação ou até mesmo nunca aparecem.

              Ainda é gritante a ignorância de uma boa parte dos católicos em relação a Bíblia e a Doutrina da Igreja. A cultura  católica ainda consiste em pensar que bastam os padres e outras formas de  vocação específicas, se empenharem no estudo e no aprimoramento da vivência bíblica e cristã em geral. Muitos católicos não se engajam melhor na vida da sua Igreja, nem parecem gostar quando se insiste muito nisso. Até são capazes de buscar outras igrejas (mesmo católicas) que sejam mais “ligts”.

           Daí a necessidade de os pastores e os diversos agentes da Pastoral nos empenharmos mais pela chamada “Pastoral de Conjunto”, ou seja, de mais comunhão, em torno do Plano Geral de Pastoral da Diocese e não ficarmos isolados, às vezes até trabalhando muito, mas sem comunhão e fraternidade, o que prejudica tanto a natureza eclesial. Este, porém, é um processo de verdadeira conversão, o qual precisa ser iniciado logo, urgentemente por cada um e por todos nòs!__________________________________________________ 

 
     ARTIGO MÊS DE NOVEMBRO                                       

                                   UMA ESPIRITUALIDADE MISSIONÁRIA

                 A Igreja nasceu do coração missionário de Jesus e recebeu dEle o mandato de Anunciar o Evangelho a todas as Nações, bem como de sermos suas testemunhas até aos confins da terra ( cfr. Mc 16,15; At. 1,8 ). Assim, podemos afirmar que a Igreja nasce da missão e existe para a missão!

                 Hoje o Documento da V Conferência dos Bispos da América Latina e do Caribe (Documento de Aparecida), nos fala de “Conversão pastoral” e o Texto para estudos da CNBB”, nº 104, que se intitula “Comunidade de Comunidades, uma nova paróquia” , nos falam  e  nos  indicam o caminho para avançarmos nessa perspectiva de Jesus Cristo.

                 O último Texto citado, em seu capítulo IV, nº. 154, estreita esta orientação missionária da Comunidade paroquial, propondo a chamada “setorização da paróquia”. Trata-se  de uma metodologia que favorece a “descentralização” da matriz, o enriquecimento dos ministérios da comunidade e, porque não dizer, a desinstalação do pároco e demais membros da Comunidade para a missão.

                 Nossa experiência  na Paróquia de São José, nesse sentido:

                 1º) Criamos a Comunidade de São Lucas no Bairro Salgado Filho. Há sete anos começamos reunindo as pessoas que moram nesse local, rezando a Santa Missa em uma sede provisória todos os sábados às 17 horas, missa Dominical; também outras atividades religiosas. Agora recentemente conseguimos um terreno e estamos buscando a construção do Templo, a Igreja de São Lucas Filial da Matriz de São José. Todos os anos celebramos a Festa litúrgica do Evangelista em frente ao terreno, aonde  será erguido o prédio da Igreja;

                 2º) No dia 12 de outubro do corrente ano, debaixo das Bênçãos de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, inauguramos a sede da Comunidade João Paulo II , à Rua Zaqueu Brandão, em outro extremo do Bairro São José,  aonde teremos a celebração Eucarística aos sábados às 19 horas, Adoração ao Santíssimo Sacramento e outras ações pastorais.

                 Assim a Paróquia de São José segue o projeto de setorização: Já temos a comunidade “Nossa Senhora Menina”, já bem estruturada e com vida autônoma; a comunidade de “São Lucas”  e, agora, a Comunidade “João Paulo II”.

                 Faltam os recursos de diversos níveis para o incremento e os frutos  esperados por todos nós. Que Deus Continue nos Abençoando!

           _________________________________________________________________________________________________                             

                       
   ARTIGO MÊS DE OUTUBRO – Pe. MANOEL

A Direção Espiritual

 

Para fazermos progresso na fé, é de suma importância a disciplina e um itinerário bem delineado de Espiritualidade.

A direção Espiritual surgiu já nos primeiros séculos da vida da Igreja com os monges. Havia um mistagogo que era o mestre espiritual, para introduzir o discípulo no mistério, isto é, na experiência de Deus, passo a passo, palmo a palmo...

Ao longo da vida da Igreja, a Direção Espiritual tem assumido expressões variadas, mas o certo é que se trata de um autêntico ministério eclesial.

O objetivo da Direção Espiritual consiste em três conceitos fundamentais: estímuloconselhocorreção.

A Direção Espiritual se diferencia da confissão, pois os elementos próprios da confissão são: acusação dos pecados, absolvição (com a fórmula apropriada) e a penitência dada pelo confessor. Já a Direção Espiritual tem por elementos constitutivos, a escuta, a oração e a orientação (mistagogia).

Direção Espiritual e Formação devem caminhar de mãos dadas. No seminários, nas comunidades de vida consagrada, nas comunidades paroquiais e outras. Favorece um itinerário de sólida disciplina, uma caminhada de “educação da fé”.

Para a eficiência da Direção Espiritual deve-se primar pela doutrina, a autoridade do diretor e a salutar a empatia entre diretor e dirigido.

A ciência da psicologia pode oferecer grande contribuição nesse campo. No plano teórico, ajuda a ter uma adequada noção do dirigido: personalidade, caráter, etc. também ajuda na compreensão da pessoa humana como sendo unidade psicossomática. No plano operativo, a psicologia contribui no tocante a um certo conhecimento dos mecanismos de defensa, como lidar com a realidade do consciente e do inconsciente; discernir as motivações, as quais podem ser insuficientes (por exemplo, apenas por influência de outros...), vicárias (quando para substituir certas motivações subjacentes...), desqualificadas (quando não há uma reta e adequada intenção ou compreensão).

Tudo isso deve ser considerado pelo diretor e ajudar o dirigido a também trabalhar-se visando tal realidade. A fim de que haja uma adequada maturidade e um promíscuo progresso espiritual e, também, humano.

                                                               Pe. Manoel Barbosa Santos.

__________________________________________________________________________________________________

   

                         ARTIGO  DO MÊS DE SETEMBRO – Pe. MANOEL

 IV- Meios, instrumentos e Subsídios de Espiritualidade Conjugal e Familiar

 A existência conjugal e familiar segundo o Espírito tem seu fundamento, como já vimos no sacramento do matrimônio, evento de graça e vida nova. Pode-se dizer que o sacramento nupcial é como um germe que deve crescer, pondo ao serviço de todos as tarefas inerentes à família cristã, sobretudo o cultivo do grande dom do amor, do qual Deus mesmo é a sua origem.”

Os meios e instrumentos que se deve buscar para a vivência dessa espiritualidade, podem encontrar sua inspiração no texto bíblico de 2 Tm 1,6: reavivar o dom que recebemos. A graça sacramental, o dom nupcial, se consegue cotidianamente mediante:

- A familiaridade com a Palavra escutada e meditada;

- A experiência dos sacramentos, em particular da Eucaristia e da Penitência, fontes e sustento de reconciliação, de perdão recíproco, de comunhão de vida e de incansável missão;

- A prática da oração, meio indispensável para a caridade conjugal e familiar;

- A direção espiritual;

- A busca da obdiência e do diálogo entre si mesmo. Isto abrange o âmbito do  “sacrifício que agrada a Deus,”que se exprime na dedicação, com competência e gratuidade, aos deveres próprios dos esposos e da família. Tudo isso concorre, no dizer do Apóstolo, para o bem próprio e  o serviço a Cristo Senhor ( crf. Efésios 6,6-7 ).

- Após indicarmos esses meios e instrumentos, chamamos a atenção, para alguns subsídios que muito podem favorecer à realidade dessa forma de espiritualidade cristã. São eles:

- As experiências dos diversos grupos familiares;

- A generosa participação na vida comunitária eclesial;

- Frequentes leituras de edificação moral, ética e espiritual,como por exemplo,a vida dos Santos e a leitura orante da Bíblia.

Assim sendo, a família pode ser autenticamente cristã, multiplicando os exemplos bons e sendo portadora dos frutos evangélicos, os quais podem ser colhidos não somente no tocante à vida espiritual propriamente dita, mas também na dimensão humana da vida, como por exemplo, a solidez da personalidade e o salutar caráter.

                                                                                                      Pe. Manoel Barbosa Santos  

 ___________________________________________________________________________________

                               ARTIGO MÊS DE AGOSTO – Pe. MANOEL

III      Alguns critérios para a Espiritualidade conjugal e familiar

 

                 Esposos e família, como cada pessoa em particular, tem a missão de se empenharem na busca da unidade de vida, tentando harmonizar o ser e o agir, em meio às tantas diversidades! Tal unidade passa fundamentalmente pelos elementos centrais da existência, como: espírito e matéria, contemplação e ação, intimidade e abertura, etc.

             O critério inspirador para a unidade da vida familiar,  reporta-se ao sentido profundo da vida das pessoas em particular, o qual consiste na relação íntima com a Pessoa de Jesus Cristo,  mediante o Dom do Espírito

Santo. A acolhida desta graça, faz com que humanidade e divindade não sejam duas realidades estranhas, mas complementares. Assim a dimensão humana de cada um, acolhendo a Deus que é Amor, leva toda a família a uma única meta: viver a existência quotidiana na Caridade de Cristo!

              Viver a verdade na própria existência, da própria relação com o senhor e com o próximo, é possível na caridade (cfr. Ef 4,15). O casal e a família encontram aqui a bem-aventurança no existir, no decidir e no agir. Nesse sentido, dizia Santo Agostinho: “Ama e faz aquilo que queres”. Isto significa que se os sentimentos e a vontade são consagrados à caridade, o que se deseja e o que se busca é o bem  todas as suas dimensões.

                 Outro critério de espiritualidade familiar é a Comunicação da vida e da graça. A comunhão gera comunicação! Se a família vive entre si o Dom do Amor- ágape, torna-se impulsionada a comunicar as outros sua experiência. Aqui está o sentido próprio do sacramento matrimonial, viver e expressar o amor, ser sinal do amor para todos, “sal da terra e luz do mundo” (cfr. Mt 5,13).

                                          Em síntese:

a)     O amor familiar deve alcançar a expressão madura do amor. Mesmo a sexualidade torna-se elemento de comunhão em função da vida, na procriação e no serviço, quando os esposos se fazem “colaboradores e quase intérpretes” do desígnio criador e redentor de Deus; no amor de Cristo encontram a própria lei, a meta, o modelo e a energia de sustento e desenvolvimento (cfr. Gs, nº 50);

b)    A comunicação da vida e da graça conjugal, encontra luz na procriação  responsável, “dom” e vocação dos cônjuges a um amor fiel, criativo e aberto à transmissão da vida, “responsabilidade” pelo amor e pela vida (cfr. Fc, nº 32);

c)      Paulo Apóstolo diz “Como Cristo” (cfr. Ef 5, 21-26): marido e mulher se complementam no amor e pelos filhos abrangem a família, a Igreja e a sociedade, tornando-se assim evangelizadores, ou seja, artífices da vida do Reino de Deus.

         

                                                 Pe. Manoel Barbosa Santos

                                                        

____________________________________________________________________________________ 

                             ARTIGO DO MÊS DE JULHO – Pe. MANOEL BARBOSA

 

II)  Os sujeitos da Espiritualidade Conjugal e familiar

               Os esposos são, ao mesmo tempo, os destinatários e os protagonistas da vida segundo o Espírito santo, inclusa  a  família

constituída a partir dos mesmos. Por esta razão, na visão cristã os esposos e a família são organicamente inseridos na comunidade eclesial.

                 O casal, homem e mulher, em sua existência histórica, antropológica e crístico - eclesial, constitui a realidade /sinal ontológico do Reino de Deus, como parte integrante do mistério de Jesus Cristo.

               A vida espiritual cristã encontra seu “lugar” ordinário de realização e de crescimento na família. A graça sacramental dos  esposos se difunde na família e a edifica tornando-a Comunidade de vida e de amor, experiência mistagoga, “Igreja doméstica” (ef. LG 11; AA 11;GS 48-52).

               Daí que os esposos cristãos, enquanto sujeitos da vida familiar, exercem um verdadeiro e santo ministério, ou seja, o serviço de edificação e santificação entre si e de toda família. Tal serviço, dentre outras coisas, consiste na acolhida da Palavra de Deus e da oração, participação na liturgia da Igreja e nos sacramentos, bem como o empenho permanente na busca pelos valores morais. Somente assim, os cônjuges se tornam instrumentos para os bons frutos do Espírito na vida, em todos os âmbitos.

               

             ARTIGO DO MÊS DE JUNHO - Pe. MANOEL
 
 
 
 

                A ESPIRITUALIDADE CRISTÃ NA REALIDADE FAMILIAR

                                   - PERSPECTIVA PASTORAL-

              A Espiritualidade Cristã é  una e unitária. Uma de suas vertentes é aquela laical/secular, cujas características são peculiares, não exclusivas, dos fieis leigos. Entre estas, a maioria se encontra na vivência do  matrimônio e da família. Se trata de uma condição ou forma de vida ligada a algumas exigências de consagração fruto do sacramento nupcial.

              O objeto das notas que se seguem são não tanto as experiências, quanto os critérios que se deve atentar para impostar uma genuína e autêntica espiritualidade conjugal e familiar.

               As experiências são diversas: aquelas de cada casal em si mesmo, bem como aquelas ligadas a algumas associações laicais, como por exemplo: as equipes de Nossa Senhora, os encontros conjugais, os movimentos eclesiais para a família cristã, etc, etc. Convém elaborar alguns critérios que sirvam, em diversas medidas, para todas essas realidades.

                Nesse sentido, apresentaremos quatro linhas de reflexão, a saber:

               * O fundamento da vida conjugal e familiar

               * Os sujeitos responsáveis

               * A chave inspiradora e normativa

              * Alguns meios e instrumentos.

 

1.     O fundamento da espiritualidade conjugal - familiar  

             O fundamento da espiritualidade cristã vivida na condição conjugal-familiar, consiste no sacramento do matrimônio, fonte própria - e meio original de santificação, o qual sendo assim compreendido e assumido, torna-se, em todo seu curso, um contínuo sacrifício espiritual (Cfr. Fc , 56).

            Outro Documento Magistral,  Humanae Vitae , do saudoso Paulo IV, diz que o matrimônio cristão é a atualização da vocação à perfeição na condição cristã, perante o mundo (Cfr. nº 25).

            Para o Casal cristão o matrimônio é também uma efusão pascal- pentecostal do Espírito que capacita os esposos para se amarem como Cristo nos amou. Isto é, um modo concreto de viver o mandamento novo. 

            Uma autêntica e profunda espiritualidade conjugal e familiar se consolida através da ação convergente do Espírito do Senhor e da liberdade do casal/família que responde e se dedica ao designo divino, uma reciprocidade de graça e tarefa, de dom e exigências.

             Sintetizamos assim:

            - Realidade familiar redimida e transformada pelo Espírito Santo, torna-se sacramento, isto é, sinal do Amor redentor do Senhor Jesus Cristo pela sua Igreja/Família;

          - Cristo - cabeça/marido - esposo mediante o Amor – doação – complementariedade;

        - O Espírito torna o ser humano nova criatura (Cfr.2 Cor 5,17), faz a realidade conjugal e familiar sempre renovada e agraciada;

       - O Dom de Deus interpela os esposos a fazerem-se dom um para o outro e à família;

       - Nessa perspectiva, o matrimônio cristão é, de fato, ”grande mistério”(Cfr. Ef 5,32), essencialmente inserido no mistério pascal do Cristo, sendo deste sinal real e eficaz;

        - Dizemos que, assim sendo, o matrimônio sacramental torna-se epifania, manifestação e comunicação da realidade nova doada pelo Espírito Santo, presença crística! Nasce na intimidade, insere-se no contexto comunitário/familiar e amadurece assumindo carácter público, ou seja, sendo expressão do Amor de Deus para toda família /Igreja/humanidade.  

 _____________________________________________________________ 

                                               ARTIGO  DO  MÊS  DE  MAIO

 

                                                         O ABANDONO EM DEUS
 
                    Muitas coisas nos faltam por não nos abandonarmos nas mãos de Deus, eis uma das linhas do pensamento de Santo Ignácio.
                    R. DILTS dizia que “a saúde é viver em harmonia com Deus". Sabemos que a harmonia com Deus implica em bom relacionamento com os outros nossos semelhantes e com a natureza.
                   Nesse sentido, ter capacidade de amar é essencial. O "amor ágape", isto é, verdadeira capacidade de sentir-se feliz, realizado e pleno na doação de si mesmo. Santa Tereza de Lisieux dizia que havia encontrado a sua “missão pessoal": "ser na Igreja o amor"!
                    O amor tem as raízes na existência humana, propriamente no profundo do inconsciente, aonde os opostos se encontram, onde o limite entre enfermidade e integridade tem uma resposta salutar, onde a capacidade de julgar não fala tão alto, onde se deve buscar a origem da insatisfação em relação à vida, da nostalgia, da solidão, do desejo de plenitude e de perfeição; onde se encontra a origem do sofrimento humano e, no fundo, o sentido da vida, o infinito, o ponto de partida. Quem entrar na dimensão do amor, entra em sim mesmo e faz a real experiência de Deus que “é Amor.                
                    O que significa abandonar-se nas mãos de Deus? Não é fugir da realidade, fugir das dificuldades, dos problemas e dos desafios da vida... Abandonar-se a Deus é ser capaz de amar, crer em seu Amor e amar a si mesmo, a cada pessoa e a criação de Deus com o mesmo amor. Esta é uma experiência de libertação pessoal que gera paz interior e cura dos males, qualquer que seja seu nível.
                     O Amor é muito mais que um sentimento, é a capacidade de criar relacionamentos livres com os outros, de modo que sejamos capazes de estabelecer uma experiência transformadora que faça crescer e melhorar, "é uma decisão de buscar a excelência do outro.” Nesta perspectiva, dizemos que o autêntico relacionamento consiste em dar amor e receber amor como conseqüência; se amo a Deus, tenho confiança nele e isso me dá segurança, liberta meu eu, me faz sentir-me também amado por Deus. 
                      Tereza de Ávila considerava a oração como forma eminente de intimidade com Deus único Absoluto e, entre outras coisas, a santa entendia que a oração afetiva (Oração do Coração) é indispensável para conseguir a libertação pessoal, porque o amor de Deus gera vida e liberdade: “é uma questão de vida ou morte para o cristão" (Caminho de perfeição VII, 10; XV, 3).
                               Viver nesse sentido é compreender e aceitar também o sofrimento. Não se trata de masoquismo, mas de uma capacidade de confiança em Deus mesmo na dor. A Cruz de Jesus é realidade do sofrimento humano como Dom para a redenção. Deus se revela também na Cruz, não somente na Glória ! " O sofrimento é uma dimensão essencial de Deus", dizia Santa Tereza.
                                     A resposta de Deus diante do sofrimento aceito por amor, é sempre uma ação compassiva até desembocar no Dom supremo da ressurreição como palavra definitiva de superação da Cruz.
                    Obviamente esta é uma visão que exige fé. Isto faz com que a pessoa tenha um propósito e um projeto de vida, os quais favorecem o desenvolvimento em todos os sentidos, influenciando bem de perto sobre a saúde.
                                       Como já sabe mas, "a saúde humana vai além do corpo, implicando também o corpo, supondo bem - estar mental e emocional, espiritual e social", dizemos que se faz necessário encontrar um sentido próprio para a vida, que ultrapasse o nível natural somente. A pessoa crente é privilegiada quando consegue fazer de Deus e dos valores da fé, a âncora do seu viver. Tais valores tem a sua síntese na atitude de confiança, esperança e abandono nas mãos do Senhor nosso Deus (rezemos agora o salmo 131.
 

 
 Todas as quartas-feiras às 19:00h TERÇO DAS FAMILIAS e ás 19:30 MISSA DE SÃO JOSÉ
__________________________________________________________________________________
ESCOLA DE ESPIRITUALIDADE
Todas às 2ª  e   4ª  segundas -feiras do mês no Salão Paroquial.
___________________________________________________________________________________
TERÇO DOS HOMENS
Todas âs Sextas -feiras às 06:00 da manhã   
___________________________________________________________________________________
Todas às segundas-feiras, das 15 às 17 horas, na sala da Pastoral da Pessoa Idosa, Estudo da Palavra de Deus através da Leitura Orante.
___________________________________________________________________________________
 
____________________________________________________________________________________ 
  
                                          
 
 

                                                    A FESTA DE SÃO JOSÉ

 
 

Festa de São José


É sempre um momento de renovação e estímulo na caminhada da comunidade eclesial a Festa do Padroeiro. A oração se intensifica, as pessoas interagem e se confraternizam melhor, a dinâmica do Apostolado também se revitaliza.

Como estamos no ANO DA FÉ, o Tema geral de nossa Festa será: José, guardião da Fé da Família e para cada noite do novenário, teremos um subtema seguindo sistematicamente o conteúdo da Carta Apostólica “Porta Fidei” (A Porta da Fé).

Cada noite, começando no dia 10 de março e findando dia 18, haverá um sacerdote convidado, os animadores e os responsáveis específicos. A programação está nesse subsídio periódico: “O Carpinteiro”, e no Site da Paróquia em anexo, acompanhe com atenção e participe com os amigos e familiares, pois a Festa é de São José e nossa!

Estamos embelezando ainda mais o templo, reforma geral da Igreja enquanto casa no sentido físico/material. Dê sua colaboração com generosidade e amor, pois ainda não concluímos as despesas. São José não lhe deixará sem recompensa! Um abraço fraterno.

                                                                                   

                                                                        Pe. Manoel Barbosa Santos
                                                                                      Pároco        
 
N O T I C I A S
 
M Ê S  M A R I A N O  
 
NO DIA  DE NOSSA SENHORA  DE  FÁTIMA  13 DE MAIO  ÀS 18:00h O Pe. MANOEL PRESIDIU A ORAÇÃO DO TERÇO COM A  COMUNIDADE.
 
Pe. MANOEL  e  Pe. JOSÉ BISPO PRESIDIRAM O SANTO TERÇO PELAS FAMILIAS E PELOS JOVENS, EM ALGUMAS QUARTAS-FEIRAS ÀS 19:00h.
 
NO MÊS DE JULHO:  NA SEMANA DE 16 a 21  ESTAREMOS RECEBENDO EM NOSSA ARQUIDIOCESE 3.000 JOVENS ESTRANGEIROS QUE VIRÃO PARTICIPAR  DA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE NO RIO DE JANEIRO E NÓS DA PARÓQUIA DE SÃO JOSÉ  RECEBEREMOS 30 JOVENS PARA  HOSPEDÁ-LOS EM NOSSAS CASAS. CASO VOCÊ  QUEIRA SER SOLIDÁRIO, NOS LIGUE PELO TELEFONE: 3214-2463 E SEJA MAIS UM A COLABORAR NESTA JORNADA MISSIONÁRIA.  QUE DEUS LHES ABENÇOE POR TORNAR-SE SOLIDÁRIO CONOSCO.
 
*******************************************************************************************************************************
A V I S O
 
A  PASTORAL FAMILIAR CONVIDA OS CASAIS DE NAMORADOS PARA PARTICIPAREM DA MANHÃ COM OS NAMORADOS, COM PROGAMAÇÃO DIVERSIFICADA, INCLUINDO A REALIZAÇÃO DE UMA GINCANA COM PREMIAÇÃO, COMEMORANDO O DIA DOS NAMORADOS.
 
DATA : 16 DE JUNHO DE 2013   
HORÁRIO: 08h30min às 12:00h
LOCAL: SALÃO PAROQUIAL
INSCRIÇÕES GRATUITAS  na SECRETARIA DA PARÓQUIA - VAGAS LIMITADAS.
 
******************************************************************************************************************************
 
MENSAGENS DIA DAS MÃES
 
POR QUE DEUS PERMITE QUE AS MÃES VÃO-SE EMBORA?
MÃE NÃO TEM LIMITE, É TEMPO SEM HORA, LUZ QUE NÃO APAGA QUANDO SOPRA O VENTO E CHUVA DESABA,VELUDO ESCONDIDO NA PELE ENRUGADA, ÀGUA PURA, AR PURO,PURO PENSAMENTO.
 
MORRER ACONTECE COM O QUE É BREVE E PASSA SEM DEIXAR VESTIGIO.  MÃE NA SUA GRAÇA, É ETERNIDADE. PORQUE DEUS SE LEMBRA - MISTÉRIO PROFUNDO-DE TIRÁ-LA UM DIA?
FOSSE EU REI DO MUNDO, BAIXAVA UMA LEI:
MÃE NÃO MORRE NUNCA, MÃE FICARÁ  SEMPRE JUNTO DE SEU FILHO E ELE, VELHO EMBORA, SERÁ PEQUENINO FEITO GRÃO DE MILHO.
 ******************************************************************************************************************************
 
         
                                        DIA DAS MÃES- HOMENAGEM ESPECIAL
 
ELA TEM A CAPACIDADE DE OUVIR O SILÊNCIO.
ADIVINHAR SENTIMENTOS.
ENCONTRAR A PALAVRA CERTA NOS MOMENTOS INCERTOS.
NOS FORTALECER QUANDO TUDO AO  NOSSO REDOR PARECE RUIR.
SABEDORIA EMPRESTADA DOS DEUSES PARA NOS PROTEGER E AMPARAR.
 
SUA EXISTÊNCIA É EM SI UM ATO DE AMOR.
GERAR, CUIDAR, NUTRIR.
AMAR,AMAR,AMAR....
AMAR COM UM AMOR INCONDICIONAL QUE NADA ESPERA EM TROCA.
 
                                          FELIZ  DIA  DAS  MÃES
 *****************************************************************************************************************************
 

A Pastoral Familiar realizou no dia 28/04 das 08:30 às 18:00 o Curso de Preparação para o Matrimônio no salão paroquial, para 27 casais de noivos que irão contrair matrimônio no decorrer do ano de 2013 e 2014. Foram 11 casais que casarão na Igreja de São José e 16 em outras paróquias. O evento foi encerrado com a Santa Missa e ao final os noivos receberam os seus certificados de participação.

A Pastoral Familiar convida os paroquianos para participarem no dia 11/05 às 19:00, da missa das famílias em homenagem  ao dia das mães, e logo após haverá uma quermesse com a participação do cantor Sena e sorteio de brindes para as mães presentes.

 

 

    

 

 C O N V I T E

Os paroquianos da Igreja de São José convidam toda a comunidade para a QUERMESSE DA FAMILIA, no dia 11 de maio de 2013, logo após a missa das 19:00h, quando haverá o lançamento de CD das Homilias do Pe. Manoel Barbosa, que estará em sessão de autografo.   

************************************************************

Já se encontram a venda na Paróquia de São José, lindíssimas camisas para a festa de CORPUS CHRISTI, venha e adquira logo a sua.  

 A V I S O

No próximo dia 11 de maio das 15:30 às 17:00h iniciaremos a preparação de adultos para BATISMO, CRISMA E 1ª- EUCARISTIA
 
*********************************************************************************************** 
 
Os paroquianos da Igreja de São José, estão celebrando às homenagens do mês Mariano com  a recitação do Santo Terço das familias todas às quartas-feiras às 19:00h. Venham e participe. 

 

ACONTECEU NESTE SÁBADO DIA 13 DE ABRIL  NESTA PARÓQUIA   -  MANHA DE FORMAÇÃO PARA O APOSTOLADO DA ORAÇÃO DA ARQUIDIOCESE DE ARACAJU.

                           

                             

 

 

          
 
 

PROGRAMAÇÃO   DA   SEMANA

SANTA

 

QUARTA-FEIRA DIA 27/03

MISSA E CONFISSÕES NOS HORÁRIOS DE COSTUME.

QUINTA-FEIRA DIA 28/03

* 09:00h-  MISSA DOS  SANTOS  ÓLEOS  NA CATEDRAL

* TARDE - CONFISSÕES

* 17:00h- MISSA  DO  LAVA –PÉS EM  SEGUIDA ADORAÇÃO

* 17:00h – MISSA  DO  LAVA-PÉS  na  G E A P

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DIA  29/03

* 12:30h -  OFERTÓRIO DO PRECIOSISSIMO SANGUE DE CRISTO.

* MANHÃ E TARDE  - CONFISSÕES

* 16:00h -  VIA-SACRA

* 17:00h -  CELEBRAÇÃO  DA  PAIXÃO

SÁBADO SANTO

* MANHÃ- CONFISSÕES E ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO.

* 18:00h- MISSA  NA  G E A P

* 19h30min – VIGILIA PASCAL.

D O M I N G O DE   P Á S C O A

* MISSA NOS  HORÁRIOS DE COSTUME.

 

 

A paróquia de São José informa,

 

    Já estão abertas as inscrições para as novas turmas da catequese. Inscrições  na Secretaria Paroquial ou aos Sábados dás 15h ás 17h. Local: Sala ao lado da Igreja. Início dos encontros em breve.

                                

                                                  Participe!

 

                                                          Pastoral da Catequese    

                                                                             

                                                                                                                                  Organização
 
                               
 
 
                                 OFICINAS DE ORAÇÃO E VIDA
 
                                  Uma Nova Evangelização 
     
 
                           APRENDER A ORAR PARA  APRENDER A VIVER
 
 
               LOCAL: Salão paroquial ( ao lado da Igreja São José)
               INÍCIO: Agosto
                Horário: 15h às 17h
               DIA DA SEMANA: Terça-Feira
 
 
                                                                                       VENHA PARTICIPAR!                              

        

            Prezados Noivos,

Comunicamos que a preparação para noivos está agendada para o dia 28 de Abril do ano corrente. Procure a secretaria paroquial para maiores informações.

             Participe você é o nosso convidado especial!!!

 
       
              
                                                              
                                                                    
                                                             CONVITE           
 
                                                       
          CARO PAROQUIANO ( A), pensando nesta expressão livre e consciente, gesto concreto de todos os fiéis, que a Paróquia de São José,está incentivando á todos os estimados paroquianos, que por motivo de segurança,melhor controle e transparência, optem por doar seu Dízimo, ou qualquer outra doação em uma das seguintes contas bancárias:
 
        Conta poupança - C.E.F : Ag.Aug.Maynard - 2.448 Op. 013-nº 16.789- 8
 
        Conta Poupança - Banese: Ag. S.José -29 Tipo. 03 -nº 100.858 -3
 
 
 
   
 
 
                                            OS GRUPOS FAMILIARES NAR-ANON 
 
      Os grupos familiares NAR-ANON, são grupos de uma irmandade de parentes e amigos de dependentes químicos (ADICTOS),que compartilham entre si suas experiências,unindo forças e esperanças no convívio com o drama das drogas.
 
                 A reunião do grupo sempre acontece no anexo da Igreja de São José,na sala nº 4,todas às 5ª feiras às 19h30, e às segundas -feiras às 19h30,na Igreja de Santa Luzia,no Bairro Luzia,próximo ao Colégio Purificação.
 
          Se você tem um Familiar ou amigo ou sofre pelo uso de drogas de alguém,venha compartilhar com o grupo que poderá lhe ajudar.
 
    os telefones para contato dos dois grupos o da Igreja São José (Esperança): (79) 9139-2927 e  (79) 9139-2932 e do Grupo da Igreja Santa Luzia : (79) 9126-9248..
 
 
         Para maiores informações veja o cartaz na entrada desta Igreja.